Topo

Anteriores

Apicultor da Bahia cria combustível feito de mel

Apicultor da Bahia cria combustível feito de mel

Numa experiência inédita no Brasil, um apicultor desenvolveu o combustível etanol do próprio carro a partir do mel de abelha

Mel: Produção cai em mais de 90% na região

Mel: Produção cai em mais de 90% na região

A produção do mel caiu 90% na região de Barra do Choça, por conta da seca no último ano.

Caravana da Febamel no Congresso Brasileiro de Apicultura

Caravana da Febamel no Congresso Brasileiro de Apicultura

17º CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA

Confira a Programação do Congresso Brasileiro de Apicultura

Confira a Programação do Congresso Brasileiro de Apicultura

Terá como tema principal Abelhas para a Humanidade: Produtividade, Qualidade e Meio Ambiente.

Notícias

Mel também terá de ser rastreado 25/04/2008

Mel também terá de ser rastreado

Temos os laboratórios credenciados e um cronograma de análise reconhecido pela UE.

Após o fim do embargo da UE à compra do produto brasileiro, setor
reclama de exigências do Ministério da Agricultura.

Agência Estado

A União Européia (UE) publicou, em seu Diário Oficial, a aprovação do Plano Nacional de Resíduos e Contaminantes brasileiro para o mel. Com isso, o embargo ao produto, que já durava dois anos, foi suspenso. Mas o que parecia uma boa notícia pode não ser tão animadora. Pelo menos por enquanto. Antes de retomar as exportações para países do bloco, o setor apícola brasileiro terá de se adequar às novas exigências, como rastreabilidade e adoção de boas práticas e de sistemas de análise de perigos e pontos críticos de controle (APPCC).

O problema com o programa de resíduos, motivo do embargo em 2006, está resolvido, diz o diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Ministério da Agricultura (Dipoa/Mapa), Nelmon Oliveira da Costa. 'Temos os laboratórios credenciados e um cronograma de análise reconhecido pela UE. Durante o embargo, porém, a UE acrescentou alguns critérios para a importação do mel', explica. Hoje, diz, é preciso trabalhar em cima da rastreabilidade, na identificação de todos os elos da cadeia produtiva.

Para isso, o Mapa quer que todos os produtores registrem a unidade de extração, ou casa de mel, no Serviço de Inspeção Federal (SIF). 'Queremos regularizar as casas de mel, mas é um trabalho lento', diz. 'Esta será a base da rastreabilidade do mel. Quem quiser vender para a UE terá de se adequar.'

'EMBARGO INTERNO'

O setor reclama que enfrenta um 'embargo interno'. 'A exigência de registro no SIF é impossível de ser atendida', diz a presidente da Associação Brasileira dos Exportadores de Mel (Abemel), Joelma Lambertucci de Brito. Segundo ela, a maioria dos apicultores brasileiros é pequena ou familiar e não tem como atender a exigências como construção de galpões de 3 metros de pé direito, sala de recepção de favos, de estocagem, laboratório ou contratar um técnico.

A sugestão é a de que o Mapa aceite que o entreposto, que é quem vende o produto, garanta a qualidade do mel recebido pelo produtor. 'Afinal, quem exporta é o entreposto', diz Joelma. 'Ele é quem deve ficar responsável por garantir a qualidade do mel, fazendo auditorias junto ao apicultor para garantir a rastreabilidade.'

Para o presidente-executivo da Associação Paulista de Apicultores Criadores de Abelhas Melíficas Européias (Apacame), Constantino Zara Filho, uma alternativa seria a construção de casas de mel comunitárias. Zara Filho afirma que o setor não é contra o controle, mas acredita que o Mapa precisa rever algumas exigências. 'Outra solução seria vender o mel beneficiado e não a granel, como é hoje. Assim, agregaríamos valor.'

MOBILIZAÇÃO

Em Brotas (SP), apicultores que vendem o mel para entrepostos exportadores começam a se mobilizar para se adequar às exigências, como o produtor Marcos Tavolaro. Ele produz de 25 a 30 toneladas de mel/ano e calcula que para investir sozinho numa estrutura para conseguir o registro no SIF teria de desembolsar R$ 50 mil. 'Da mesma forma que o Mapa instituiu normas para o leite, em 2002, agora está querendo que os apicultores também tenham equipamentos mínimos de higiene. É justo. Vamos ter de nos adequar.'

A idéia, explica, é juntar os cerca de 15 apicultores da região e montar uma casa de mel adequada. 'Mas os entrepostos exportadores precisam também pagar um preço diferenciado pelo mel, como incentivo.




 Voltar