Topo

Anteriores

Apicultor da Bahia cria combustível feito de mel

Apicultor da Bahia cria combustível feito de mel

Numa experiência inédita no Brasil, um apicultor desenvolveu o combustível etanol do próprio carro a partir do mel de abelha

Mel: Produção cai em mais de 90% na região

Mel: Produção cai em mais de 90% na região

A produção do mel caiu 90% na região de Barra do Choça, por conta da seca no último ano.

Caravana da Febamel no Congresso Brasileiro de Apicultura

Caravana da Febamel no Congresso Brasileiro de Apicultura

17º CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA

Confira a Programação do Congresso Brasileiro de Apicultura

Confira a Programação do Congresso Brasileiro de Apicultura

Terá como tema principal Abelhas para a Humanidade: Produtividade, Qualidade e Meio Ambiente.

Notícias

Composição e componentes da própolis 09/04/2008

Composição e componentes da própolis


Na sexta e última parte do artigo especial, você confere a riqueza de componenes e nutrientes da própolis.

Extraído de: Revista Zum-Zum outubro/ dezembro-2007

 

A própolis é uma massa resinosa e pegajosa, cuja cor varia de amarelo-verde a marrom escuro, dependendo da procedência e da idade. Pode ser comparada a uma cola aromática. É difícil retira-la da pele, pois parece que reage fortemente com os óleos e proteínas da mesma. É dura e quebradiça enquanto fria, mas torna-se mole e pegajosa quando quente. Sendo uma mistura, a própolis dificulta os processos de extração ou fracionamento de seus componentes. Por este motivo as tentativas de determinar a composição da própolis não ultrapassam o estágio de um fracionamento bem simples.

 

O método habitual consiste em extrair a fração solúvel em álcool, ou seja a fração de cera. “Bálsamo” de própolis refere-se aquela fração que pode ser extraída com álcool a 70%. No início deste século as estimativas da composição da própolis, presumivelmente de várias procedências eram bem similares entre si. Foram feitas poucas tentativas de purificação mais profunda e de investigação exata da composição das frações estudadas. Até 1969 as informações sobre alguns componentes da própolis eram escassas. A falta de interesse foi provavelmente devido à natureza (complexo) da própolis e à falta de técnicas apropriadas para separação e análise.

 

A partir de 1969, com a aplicação de técnicas modernas de separação e identificação, foram isolados seis pigmentos do grupo das flavonas. Foram isoladas também as flavononas e ainda a isovanilina. As quantidades destes componentes variam de 1 a 4% da amostra original da própolis. Foi também constatada a presença de derivados de uma outra flavona, a quercetina, os quais porém, não foram examinados detalhadamente. Todos os componentes isolados em diferentes amostras de própolis, recolhidas em diversas regiões e por abelhas de várias raças mostraram que as flavonas e flavononas de seus extratos correspondiam aquelas encontradas em botões de Bétula verrucosa.

 

As observações que demonstraram que a própolis apresenta significante atividade anti-bacteriológica contra Bacillus subtilis, Bacillus alvei e Proteus vulgaris, foram corroboradas pela ação da galangina, uma flavona isolada de diferentes amostras de própolis a qual apresentou atividade bacteriostática. A separação de uma flavonona, a prinocembrina, mostrou atividade similar aquela da galangina. Foram também isoladas e identificadas as flavonas crisinas, tecnocrisina e isalpinina. É interessante que estes componentes foram isolados antes de botões de árvore de álamo, das quais as abelhas recolhem a própolis. Estas flavonas são encontradas inalteradas na própolis. Trabalhos mais recentes resultaram na separação do ácido cafeico e de um derivado do ácido cinâmico. Ambos os compostos mostraram atividade anti-bacteriológica a respeito de álbuns microorganismos, tanto gram-positivos, como gram-negativos.

 

Uma análise dos componentes anti-microbianos da própolis levou à separação e identificação de 17 compostos químicos, inclusive 9 compostos isolados antes, de outras amostras de própolis. Os compostos isolados pela primeira vez foram as duas flavonas: pectolinarigenina, o dimetileter da quercetina, 3 flavononas: a sacuranetina, pinobasenina e seu derivado: a 3-acetil-pinobasenina, um éster de benzila e um éster de ácido cafeíco com ácido aromático. Uma investigação preliminar dos componentes de própolis recolhidas por abelhas na região sudoeste da Austrália Ocidental mostrou que os seguintes componentes estavam presentes: 4 flavononas, a pinostrobina, a sacuranetina, a isossacuranetina e a hidroxidemetoxi-flavonona, o pteroestilbeno e o derivado de naftalina, o xantorroeol, traços de crisina e álcool dimetoxi-benzílico. Foram encontrados em amostras de própolis também alguns ácidos graxos representando 5% da amostra.

 

A presença de pequenas quantidades de vitaminas foi encontrada em própolis recolhida nos Estados Unidos. Foram encointradas as vitaminas B1, B2, B6, C e E, como também o ácido nicotínico e o ácido pantotênico, todas em quantidades variáveis. Foram encontrados os seguintes níveis: vitamina B1: 4,5 microgramas por grama de material fresco (6,4 microgramas/ gr de material seco), vitamina A: 6,1 a 8,1 Unidades Internacionais (UI); riboflavina 20 a 28 microgramas/gr e vitamina B6: 5 microgramas/gr de matéria fresca. Foram encontrados em própolis cobre e manganês em quantidade de 26,8 a 40 mg/kg, respectivamente. As cinzas da própolis contém ferro, alumínio, vanádio, estrôncio, manganês e silício.

 

Alguns autores informaram que no destilado por arraste de vapor foram identificados o éter fenil-vinícolo, o éter anisil-vinícolo e o ciclohexil-benzoato. É ainda discutível se estes 3 compostos realmente são componentes da própolis, porque algumas vezes são encontrados em polímeros sintéticos. O ciclohexil-benzoato é ocasionalmente usado como plastificamente. Um dos pontos interessantes emergem de um trabalho restrito que foi realizado a respeito dos componentes da própolis. O maior grupo de compostos são pigmentos à base de flavonas e derivados, os quais são ubíquos no reino vegetal.

 

Leia Também:

 

 

 

Conservação da própolis

 

Produção e obtenção da própolis

 

Coleta de própolis

 

Utilização da própolis na colméia

 

Origem e função da própolis

 

 

 




 Voltar